Frustração: O que fazer quando tudo dá errado?

O que fazer quando tudo sai diferente do planejado, surgem imprevistos indesejados e a rotina vai para o espaço?

Quando tudo dá errado

Dizem que hábitos são a alma de uma vida bem vivida.

Se estiver atento, você vai dizer que este assunto de hábitos, rotinas e planejamento parece ser um dos meus favoritos. E você tem razão.

Rotinas e um bom planejamento, realmente fazem o meu coração bater mais forte.

Como você já deve ter desconfiado, existe uma razão para isso… Pois é, ensinamos o que precisamos aprender. 🙂

Infelizmente, eu tenho que admitir que têm horas (dias, semanas?) em que todos os meus planejamentos furam, as rotinas são impossíveis de manter e tenho que improvisar a cada momento.

É fácil ligar o farol de mal-humorado e sair soando o alarme para todo mundo saber que está tudo errado. Mas não resolve. Não se dê o trabalho de tentar – eu já estive lá e comprei a camiseta.

A outra opção, é virar a arma contra si mesmo. Dar broncas merecidas ou desmedidas à sua própria pessoa, carregar culpa, sentir-se incapaz, imprestável, assustadoramente incompetente.

De pouco adianta. Na verdade parece ter um efeito contrário ao desejado. Não me pergunte como sei.

A questão é:  Como lidar com estas situações com a menor nível de frustração possível?

Superando desafios na prática:

 

10 perguntas para eliminar ou amenizar a frustração

Existem outras alternativas à minha primeira opção igualmente satisfatórias?

Numa viagem de carro recente pelo interior da Finlândia, eu me surpreendi quando passamos por uma rua cujo nome (“Poikkeuskatu” traduzido) é “Rua da Exceção”. Eu achei graça e pensei, como seria bom sempre ter uma alternativa viável já reservada, pronta para o uso.

Quando os nossos planos dão errado muitas vezes, nós continuamos agarrados a eles sem querer soltar. Assim ficamos impedidos de receber outra possibilidade que está ao nosso alcance.

Talvez a solução para isto tudo seria mais parecida com outra rua, desta vez perto de Estocolmo, onde tivemos alguma dificuldade de encontrar um endereço. O que nos confundiu foi que metade do bairro, ou para ser mais exata, um conjunto de 5-7 ruas numa mesma área, tinham o mesmo nome: Lomvägen. Confundiu até a “moça” do GPS – mas me fez pensar.

Como seria, se quando iniciássemos um projeto ou procurássemos a solução de um problema, pudéssemos ver não só uma, mas várias opções igualmente válidas como resultado final?

O que estarei perdendo se eu agora focar mais no que não pode ser do que no que é?

Você já viu o vídeo das duas equipes de basquete, onde no início te pedem para contar quantos passes a equipe branca faz? Se não viu ainda veja aqui:

Se você for parecido com a maioria das pessoas, fica tão ocupado contando passes que não percebe uma pessoa vestida de urso que aparece no meio do jogo e passa dançando pelas duas equipes.

Às vezes quando focamos somente no que queríamos que acontecesse e no que “deveria ser” perdemos completamente o que “é”.

Vou te dar um exemplo bem verossímil aqui de casa. Digamos que eu estou tentando me concentrar em algo e constantemente sou interrompida pelo meu filho, que exige minha atenção. Fico frustrada, porque não estou conseguindo trabalhar.

Se eu parar de insistir em trabalhar naquele momento e voltar a minha atenção para ele, posso observá-lo e me divertir com ele. Posso retomar o trabalho mais tarde, talvez depois dele ir dormir, sabendo que não perdi uma experiência com ele nesta fase do crescimento que não volta mais.

O que esta situação me possibilita de forma única?

Como no exemplo anterior, algumas situações são ideais – para outra coisa do que você tinha planejado.

Você planejou fazer um passeio na praia, mas choveu – o que é um tempo ótimo para ler um bom livro.

A situação em que você se encontra agora seria perfeita para que? – Oh, nada de respostas irônicas 🙂 – é sério, existem oportunidades escondidas em cada situação. Basta procurar. Sim, às vezes estão bem escondidas… mas procure mesmo assim.

Como eu escolho reagir – em vez de ficar estressada – quando nem tudo funciona como espero?

“Fulano está me irritando!”, é o tipo de frase que se ouve aqui em casa às vezes. Tecnicamente não é uma frase verdadeira. O que realmente está acontecendo é: “Eu estou optando por ficar irritado com Fulano”.

Ninguém, a não ser eu, tem o poder de mudar os meus sentimentos. Eu sou a dona deles e tenho a responsabilidade de administrá-los. Isso você já sabia. Claro! Mas no calor do momento às vezes esquecemos disso.

Ficar frustrado, estressado ou irritado não é uma situação confortável ou agradável. Como você gostaria de se sentir? Que tal se sentir assim agora, ou fingir que se sente assim – só de pirraça :)?

Para mudar os sentimentos, em geral um comando firme não basta. Mas tente escutar uma música que você goste durante 15 minutos.

O que preciso fazer para que eu possa voltar a estar bem comigo mesma e com os outros?

Antes de perceber já fiquei irritada. Começo a dar respostas curtas e pouco simpáticas.

Como reverter este momento? O que eu posso fazer para recuperar o meu equilíbrio emocional e voltar a tomar decisões melhores?

Isso provavelmente seria matéria para um artigo inteiro, mas algumas ideias rápidas que funcionam para mim são:

– passar um tempo a sós com os meus pensamentos;

– fazer um trabalho ou uma atividade que não exija decisões ou muito esforço mental (caminhar, dobrar roupas, etc) e enquanto isso deixar os pensamentos processando o assunto;

– acalentar a minha alma com algo de beleza (algo da natureza ou mesmo uma revista de decoração costuma bastar :)), e

– verificar se me lembrei de atender às necessidades básicas como sono, água e alimentação. Tirar um cochilo, se possível, é tiro e queda.

Será que eu posso encontrar 5 aspectos neste momento, nesta circunstância,  pelos quais possa agradecer?

Cultivar gratidão é uma prática salutar. A gratidão é intimamente relacionada com a felicidade ou melhor, a nossa percepção dela.

É também um hábito, que como um músculo, pode ser fortalecida com exercício. Quem é grato pode encontrar razões para estar contente em praticamente toda e qualquer situação.

Naturalmente, não estou aqui tentando esticar isto até as últimas consequências. Quando coisas terríveis acontecem, precisamos mesmo chorar. Mas aí não estamos falando de uma unha quebrada.

Mesmo quando tudo parece estar errado, posso ser grato por Deus continuar sendo Deus e continuar me amando.

Mesmo quando tudo parece estar errado posso ser grato por Deus continuar sendo Deus e continuar me amando.

Quais são os prejuízos permanentes e irrecuperáveis desta situação?
Como posso superar até mesmo um prejuízo considerável?

É importante procurar colocar as coisas em perspectiva. Muitas vezes a resposta a primeira pergunta aqui é: “nenhuma”.

Às vezes existem prejuízos reais e então precisamos encontrar maneiras de superá-las.

Existem muitas histórias em filmes e livros de pessoas que superaram dificuldades imensas e encontraram novamente sentido para as suas vidas. Talvez você até conheça alguém assim. Isto prova que é possível.

Circunstâncias não nos definem. Nossas escolhas é que definem o que é e será real para nós.

Quanto do meu estresse está relacionado à uma vontade de manter “as aparências”, nunca demonstrar fraqueza ou deixar furos?

Será preciso reavaliar algumas das minhas exigências comigo mesma?

Será tão ruim assim as pessoas descobrirem que sou gente, ser humano? Gente que erra e acerta, imperfeito e em processo?

Pode ser constrangedor e às vezes será necessário pedir desculpas e se retratar, mas a vida continua.

Que importância isto vai ter daqui à alguns meses ou anos?

A perspectiva do tempo, me ajuda a avaliar o que realmente é importante. Se ninguém se importará ou se lembrará da questão em seis meses ou seis anos; porquê dar importância a isto agora?

O que eu posso fazer para que esta experiência se torne uma boa história para ser contada mais tarde?

As situações mais absurdas é que são ótimas histórias para contar depois. O que de inesperado você pode fazer agora, que vai deixar a situação mais engraçada e menos trágica? Vamos lá – os seus netos vão rolar de tanto rir!

Espero que estas perguntas tenham te ajudado a pensar sobre como lidar com a frustração quando as coisas dão errado.

Se você tem uma ideia ou uma prática que eu não incluí nesta lista, por favor acrescente-a nos comentários abaixo!

Comentários
Recent Posts